sábado, 8 de outubro de 2011

Cafeína


"Vida sem poesia é fingimento", assim define Domingos Barroso em seu blog Lacaio da Poesia. E eu poderia completar que o poeta é um louco apaixonado que transforma tudo o que vê e sente, em encantamento, ainda que seja pranto ou tristeza.
Acompanhem comigo a narração abaixo:

 

A verdade é que eu sou um pescador
encantado e perdido em alto mar.

Os versos que escrevo
às vezes sonho dentro de uma ostra
outras vezes deliro nas costas de um golfinho.

São versos sinceros como ontem
quase morri de dor de cabeça

e só havia as estrelas
únicas testemunhas
do meu transe.

Não é bom ter somente estrelas
por perto quando a cabeça explode.

Dá vontade da gente querer ser também estrela.
Deixar o mar e não se despedir da mãe nem do filho.

O que diria meu filho sem pai nesse mundão de mar
e como choraria minha mãe sozinha no seu quarto.





Imagem-Corbis
Música-Manolo Garcia-Ia atunara





domingo, 2 de outubro de 2011

Nostalgia

É difícil descrever um poeta, mas é fácil gostar de sua poesia e foi assim que aconteceu quando li pela primeira vez o amigo Ribeiro Pedreira em seu blog Alguma Poesia.
Vejam que delícia de poesia e encantamento em tão poucas palavras.

tentei revisitar
os meus dias de pequeno

mas a infância é um templo
inviolável

e se não fosse
jamais caberia
a largura dos meus passos











Imagem-blog do poeta