sexta-feira, 22 de julho de 2011

Solidão


Conheçam um artista plástico e poeta de mão cheia, embora humildemente não se ache assim, no entanto, vejam que beleza sua poesia abaixo e descubram mais um poeta maravilhoso nesta blogosfera.
Visitem as palavras de Marcantonio em seu blog Diário Extrovertido.




 
Quando a solidão chegou,
Ela me tornou único.
Eu que me julgava vários,
Eu, de muitos itinerários
Compartilhados,
Não era mais que um!
Sem partes, sem pontes,
Sem frações, sem múltiplos,
Sem púlpitos.

Quando a solidão chegou,
Ela me amarrou a mim.
Reforçou a membrana
Das minhas fronteiras
Donde calado percebo
Que o fronteiriço é outro
Perambulando cego
Preso aos fios da rede
De solidões unitárias:

A solidão dos nomes;
A solidão dos números;
A solidão dos olhos;
A solidão das sequências;
A solidão das alternâncias;
A solidão dos adjetivos;
Dos adjuntos temporários
E a solidão dos solidários.

Quando a solidão chegou,
Ela urinou nos meus pés
E demarcou um território.











Imagem-Pinterest







34 comentários:

  1. Bethita,
    Tudo isso está muito lindo e de muito bom gosto. Boa escolha da música e poesia. Parabéns ao poeta por tamanha sensibilidade.
    Beijos carinhosos.

    ResponderExcluir
  2. Solidão, esse fantasma que nos apavora e que nem sempre conseguimos exorcizar...
    Muito linda postagen, voz e música emprestando vida a poesia.

    Parabéns.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente lindo, único.

    Um beijinho

    laura

    ResponderExcluir
  4. ...E de repente, a minha solidão ficou povoada.
    Bravo.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Beth!
    Uma delícia ouvir você com uma poesia tão linda.
    Vou conhecer o blog do autor.
    Bom final de semana
    Xeros

    ResponderExcluir
  6. Oi Beth!
    Linda música! Belo poema!
    Seu blog está mesmo pura suavidade.

    Beijos e um lindo fds!

    ResponderExcluir
  7. Beth, a solidão é de cada um, mesmo.
    Tantos gostam dela, outros têm medo. Mas ela é inerente a nós.
    Linda poesia, lindo autor, linda música.
    Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  8. Beth, ficou ótimo! Como o poema soou diferente para mim mesmo! Devo lhe dizer que é uma experiência inédita no meu caso: ainda não ouvira a leitura de um poema meu. Depois de escrevê-los, costumo lê-los em voz alta para avaliar as sonoridades, o inconveniente de alguma cacofonia, etc; e essa leitura pessoal é sempre uma tentativa de tentar, digamos, uma autonomia virtual para o poema. Mas no caso da sua leitura, essa autonomia se realiza, o poema está livre, enfim! E eu o senti com outra intensidade. Poxa, muito obrigado!

    A ilustração também ficou excelente.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Obrigada, amigos queridos que me visitaram nesta manhã!
    Escolhi, para abrir este projeto do blog falado, o poeta Marcantonio, justamente por ter me apaixonado por sua poesia tão bem feita e por ele ainda não ser conhecido por nós lá do Mãe Gaia, fazendo com isso uma apresentação nova de mais um ótimo blogueiro em nosso meio. Esta, inclusive, é uma das minhas propostas - interação e novos conhecimentos.
    Marcantonio usou um termo em seu comentário aí em cima que diz tudo sobre esta nova forma de apresentar as poesias - "sua leitura, essa autonomia se realiza, o poema está livre, "

    Vamos então libertar mais poemas. Poetas e poetisas, aguardem sua vez, já estão todos na minha mira. rssssss

    beijinhos e obrigada pela participação.

    ------------------------------------------------------------------------------------------------

    ResponderExcluir
  10. Nossa Betita, adorei! Que poeta o Marcantonio é! Dos melhores que tenho visto ultimamente! Eu conheço bem essa solidão da qual ele fala, ela tb marcou território em minha vida...creio que na vida de todos os poetas, beijos aos dois, vou lá conhecer o blog desse poeta fantástico!

    ResponderExcluir
  11. uma leitura saborosa de um poema gigante. parabéns ao poeta e à intérprete. ao fundo eu colocaria outra canção, algo mais denso, mas o teu encontro com o poema pediu esta... enfim, poesia é liberdade. bj!

    ResponderExcluir
  12. poesia plena a plenos pulmões,


    abraços

    ResponderExcluir
  13. belíssima escolha querida! Adorei ler Marcantonio com tua voz e interpretação de ritmo.

    beijos!

    ResponderExcluir
  14. É um poema que tem muito a ganhar quando dito, assim, sem que nenhuma das suas síbabas sejam deixadas ao acaso.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  15. Beth!

    Parabéns, pela escolha e pela leitura e voz. Para mim apenas Mário Lago fazia isto com perfeição e emoção. Encontrei em você a voz feminina e atenuada plenamente pelas pausas e moção que o próprio poema do Marco traz.

    Aplausos!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  16. Uma poesia que tem uma expressão muito forte. Parabéns a você pela escolha e ao Marcantonio pela belíssima inspiração.
    Um grande abraço aos dois.

    ResponderExcluir
  17. O que por si já é belo,ficou mais emocionante.A solidão do solitário em territorio delimitado.Simplesmente fantastico,muita inspiração do Colega.Parabens Beth pela linda sensibilidade.
    Um abraço mineiro de flor.
    Bju de luz nos seus dias.

    ResponderExcluir
  18. Minha solidão ficou matutando , quieta num canto , ouvindo o poema .Gostou!
    Beth, foi tão bom ! Eu li, ouvi com a minha voz interna e depois com a sua . A música fez sumir com tudo que não era a poesia. Uma delícia refletir sobre as letras do Poeta dessa forma.

    ResponderExcluir
  19. È de puro encantamento a audição, a poesia e a solidão marcada...nos versos, na voz, na vida!
    O que por vezes é motivo de negação, nas linhas da poesia ganhou existência aceita.
    Parabéns Betinha.Parabéns Marco Antonio.
    Bravo!
    Bjinhos,
    Calu

    ResponderExcluir
  20. Maravilhoso ouvir um poema de Marcantônio...

    Adorei teu canto!

    Beijinho contente!

    ResponderExcluir
  21. Beth, adorei a proposta e a ideia. Ficou muito bom. E o interessante é como a poesia soou diferente até para o próprio poeta.
    Parabéns.
    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Poxa, que poesia linda! e a leitura, enfatizou ainda mais o sentimento deste belo poema. união de dois artistas, dá em bela arte.

    parabéns aos dois e obrigado por este belo espetáculo!

    ResponderExcluir
  23. sua voz valorizou o que é impagável: um poema de marcantonio.

    parabéns!

    ResponderExcluir
  24. Uma excelente voz, num poema perfeito.

    Parabéns aos dois!

    ResponderExcluir
  25. Excelente escolha! Marcantonio é O Poeta. Gostei muito do poema na sua voz. Parabéns aos dois!

    Agradeço sua visita e as palavras tão gentis. Muito interessante a proposta do seu blogue. Quanto à Glorinha, uma amiga querida; mora no meu coração.

    Bjs, mais uma vez, parabéns. Inté!

    ResponderExcluir
  26. Fã de Marcantonio há muito tempo, adorei ouvir assim, tão límpido, tão bem declamado, mais um poema dele.

    Um trabalho de divulgação bastante eficaz.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  27. As palavras de uma alma poética
    e a voz de outra alma poética
    são solidões de encantos
    ...

    Abraços carinhosos.

    ResponderExcluir
  28. Que bonita essa solidão :) Parabéns pela leitura!

    ResponderExcluir
  29. Parabéns, Beth. Sua interpretação contida, sensível me parece exata para o poema do Marco, um craque que só os privilegiados que freqüentam seu blog conhecem.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  30. Beth querida,
    A solidão já foi dita aqui de formas e maneiras certeiras, vou comentar o oposto, e te cumprimentar por esse espaço dedicado ao compartilhamento de poesias, de maneira tão “bendita e bem dita” na sua voz.
    Vou te confidenciar uma coisinha, sempre que leio o poema Ora (direis) ouvir estrelas! Do Olavo Bilac, me lembro de você, porque sinto que você é capaz de ouvi-las e entendê-las.
    Grave pra gente.. (rs)
    O espaço ficou lindo e elegante.
    beijinho

    ResponderExcluir
  31. seu blog é um achado.
    imagino o prazer que é dar voz a poemas que nos encantam.
    e suas escolhas são preciosas: um grande poema do Drummond, um grande poema do Marcantonio.
    abraço

    ResponderExcluir
  32. Perfeita imagem da solidão...Amarra-nos de um modo, como se fosse a nossa segunda pele!
    Parabens pelo poema Marcantónio e tambem à dona do blog pela escolha primorosa.
    Beijos
    Graça

    ResponderExcluir
  33. Olá, querida
    Parece que solidão fez o mesmo comigo...
    Demarcou território... agora... o difícil é transpor... a solitária que habita em mim...
    Bjs de paz

    ResponderExcluir
  34. Beth, ficou mesmo ótimo! eu sou completamente entregue à poesia do Marco, ele é um grande poeta, um grande artista.

    Quando alguém nos lê um poema, ele toma sempre outra vida, outra voz, outro sentido.

    um abraço!

    ResponderExcluir